Recenseadores do IBGE relatam dificuldade para falar com moradores Em Goioerê.


Todo o processo é realizado com equipamentos altamente tecnológicos, então não há necessidade de os recenseadores entrarem nas residências ou apartamentos
Os recenseadores do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística estão enfrentando dificuldades para aplicar o questionário do Censo Demográfico 2022 em Goioerê, a informação foi repassada pela coordenadora do órgão Débora Regina nesta segunda-feira, dia 15.
O trabalho começou no dia 1º de agosto, e deverá ser realizado em todos os imóveis da cidade para a coleta dos dados. As dificuldades vão desde a negativa em receber os recenseadores até a recusa em responder as perguntas.
Debora explicou que as entrevistas e as respostas corretas da população são de extrema importância para identificar necessidades e demandas da cidade, que ajudam a balizar políticas públicas em áreas como Saúde, Segurança, Educação e Assistência Social, por exemplo.
Entre os principais programas que dependem das informações do Censo está o FPM – Fundo de Participação dos Municípios, fonte de recursos da Prefeitura, cujo percentual de repasse pode aumentar ou diminuir com base nas informações demográficas colhidas e disponibilizadas pelo IBGE.

“Dependendo da informação, esse percentual pode aumentar ou diminuir, daí a necessidade da população nos ajudar e responder de forma corretas as entrevistas”, comentou Betinho Lima destacando que com os dados prejudicados, o município pode até mesmo perder recursos importantes e deixar de ser inserido em programas que trazem benefícios diretos à população.
Betinho destacou que com os dados prejudicados, o município pode até mesmo perder recursos e deixar de ser inseridos em programas que trazem benefícios para a população. “Por conta disso, peço a todos os moradores que recebam os recenseadores e respondam as perguntas. É muito importante para a nossa cidade”, disse.
Segundo a coordenadora do censo em Goioerê, todos os recenseadores têm protocolos a seguir e vestem colete do IBGE, boné e crachá com identificação. Todo o processo é realizado com equipamentos altamente tecnológicos, então não há necessidade de os recenseadores entrarem nas residências ou apartamentos.

Em caso de dúvida o IBGE disponibilizou em seu site uma ferramenta que permite confirmar se a pessoa que chegou ao imóvel realmente é um recenseador. “Para fazer essa confirmação basta o morador rastrear um QR code no uniforme do recenseador”, informou Débora.
Ela também explicou que 10% das residências visitadas precisarão responder pela Mostra e 90% no Simplificado. Esse modo simplificado e mais básico demora de 5 a 10 minutos para ser prestadas as informações. Já o da Mostra dura de 15 a 20 minutos, dependendo o número de pessoas que reside na casa. O próprio equipamento do IBGE decide quais perguntas serão respondidas.
Via: Manancial News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.